O que Foo Fighters tem para nos ensinar sobre Marketing de Relacionamento

O que Foo Fighters tem para nos ensinar sobre Marketing de Relacionamento

No dia 28 de fevereiro de 2018, durante o Show em São Paulo no Allianz Parque, a banda Foo Fighters realizou o sonho de um fã e deu uma lição de Marketing de Relacionamento. Mas, o que uma coisa tem a ver com a outra? Eu explico.

Ao chamar o Lucas, que completava 17 anos, para tocar bateria com a banda, olha o que aconteceu:

1. Visibilidade

Lucas estava ali sinalizando: “É meu aniversário! Me deixem tocar bateria com vocês!”. Saiba identificar as oportunidades no dia a dia de seu negócio. Ouça seu cliente!

2. Identificação

Os demais fãs se sentiram representados ao ver o Lucas realizando o sonho e “zerando a vida”. E com certeza saíram de lá admirando ainda mais a banda. E com certeza, meu caro leitor, teve uma galera que foi lá só pra acompanhar alguém e saiu fã do Foo Fighters depois dessa.

3. Protagonismo

O Lucas foi o astro. O Lucas deu o ritmo. Viu a banda cantando “parabéns pra você” acompanhada da multidão de fâs. O Lucas se sentiu o cara mais sortudo do universo! É esse o sentimento de ser encantado pela marca que amamos: nos sentimos únicos.

4. Conexão emocional

Você acha que o Lucas vai esquecer desse dia? É uma experiência para compartilhar pro resto da vida!

5. Buzz

E por falar em compartilhar: você viu a quantidade de posts, artigos e matérias de jornal sobre esse momento? Marca que encanta é espalhada por aí!

Viu como colocar o cliente no centro das atenções traz resultado? 😉

Se você gostou desse post, compartilhe nas redes sociais e ajude a espalhar o encantamento por aí.

3 Replies to “O que Foo Fighters tem para nos ensinar sobre Marketing de Relacionamento”

  1. Em termos de mkt, por ser uma banda de rock me parece que encantar já é relativamente mais fácil porque a conexão com a música é muito forte. O Foo Fighters não precisava mais encantar o Lucas ou qq outra pessoa da plateia pq quem foi no show já era fã. O bacana é que tudo o que essa ação gerou extrapolou o encantamento. Mas, e qd a empresa em questão não é uma banda mundialmente conhecida? Como gerar um encantamento dessa proporção?

    1. Andréa,

      No seu comentário está o pulo do gato: “O Foo Fighters não precisava mais encantar o Lucas”. Exatamente! A banda poderia ter subido no palco, seguido a setlist e ido embora. Quando você entrega o que o cliente está pagando para receber, você o deixa satisfeito. Quando cruza essa linha, gera encantamento.
      Concordo com você que, quando falamos de um show, tem todo um clima propício e uma baita estrutura para que todos os detalhes façam parte de uma experiência sem igual. Então, trazendo para o dia a dia, falando de pequenas e médias empresas, freelas e MEIs, o que vai fazer a diferença é conhecer muito bem o cliente. Um bom CRM vai ajudar a identificar as oportunidades. Um gesto simples, mas realizado especificamente para aquela pessoa, pode gerar conexões emocionais semelhantes.
      E onde está a resposta? Como saber o que vai deixar o cliente sem palavras? Colhendo informações. O Lucas tinha uma placa dizendo que estava fazendo aniversário e o que ele queria. Os negócios precisam ter canais de comunicação e nutrição de informações sobre o cliente. Nem sempre vai estar tão claro como na placa do Lucas, por isso é importante estudar as informações e fazer conexões para então poder agir sobre os insights.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *